11 de março de 2014

6 fatos importantes que a mídia não fala sobre o vôo 370 da Malaysia Airlines


Há algumas coisas surpreendentes que você não vai ver na mídia sobre o voo 370 da Malaysia Airlines, o voo que simplesmente desapareceu sobre o Golfo da Tailândia, com 239 pessoas a bordo. 


O mistério do desaparecimento repentino e completo do voo deixou as maiores autoridades de segurança aérea do mundo perplexas. "As autoridades de segurança aérea e antiterror em dois continentes parecem igualmente perplexas sobre qual direção o avião deve ter ido", relata o Wall Street Journal.

O mesmo jornal passa a relatar:

"Por enquanto, parece simplesmente inexplicável", disse Paul Hayes, diretor de segurança e de seguros no Ascend Worldwide, uma empresa de consultoria e de dados de aviação britânica.

Enquanto que os investigadores estão perplexos, a grande mídia não está dizendo a você toda a história. Veja estes fatos que devem levantar sérias questões nas mentes de quem acompanha essa situação.

Fato nº1: Todos os jatos comerciais Boeing 777 são equipados com gravadores caixa preta que podem sobreviver a explosões a bordo. 

Nenhuma explosão do avião em si pode destruir os gravadores da caixa preta. São estruturas à prova de bomba que possuem gravações digitais de conversas de cabine, bem como dados de voo detalhados e dados de superfície de controle.

Fato nº2: Todos os gravadores da caixa preta transmitem sinais localizadores por pelo menos 30 dias depois de cair no oceano.

No entanto, a caixa preta neste incidente particular, não foi detectada. É por isso que os pesquisadores estão tendo tanta dificuldade em encontrar. Normalmente, eles só precisam seguir o sinal do transmissor da caixa preta. Mas, neste caso, a ausência de um sinal significa que a própria caixa preta - um objeto projetado para sobreviver a explosões poderosas - ou desapareceu, ou teve defeito de fabricação ou foi destruído por uma força poderosa que estaria além dos piores medos de engenheiros de design de aeronaves.

Fato nº3: Muitas partes de aeronaves destruídas são naturalmente flutuantes e irão boiar na água.

Em casos anteriores de aeronaves destruídas sobre o oceano ou que caíram no oceano, os detritos sempre foram vistos flutuando na superfície da água. Uma das coisas é que o assento pode ser usado como um dispositivo de flutuação.

Sim, almofadas de assento flutuam. Assim como muitas outras peças não-metálicas de aeronaves. Se o voo 370 foi derrubado por uma explosão de algum tipo, haveria detritos boiando no oceano, e estes detritos não seriam difíceis de detectar. O fato de que ainda não foram vistos só contribui para o mistério de como o voo 370 parece ter literalmente desaparecido da face da Terra.

Fato nº4: Se um míssil destruiu voo 370, o míssil teria deixado uma assinatura de radar. 

Uma teoria circulando na net é que um míssil derrubou o avião, de alguma forma explodindo o avião e todo o seu conteúdo em "pedacinhos" - o que significa muito pequenos pedaços de matéria que são indetectáveis como detritos.

O problema com esta teoria é que não existe um míssil conhecido com tal capacidade. Todos os mísseis conhecidos geram uma tremenda quantidade de detritos quando explodem no alvo. Tanto o míssil quanto os detritos produziriam grandes assinaturas de radar, que seriam facilmente visíveis para ambos os navios militares e autoridades de tráfego aéreo.

Fato nº5: A localização da aeronave quando ela desapareceu não é um mistério. 

Os controladores aéreos têm detalhes completos de quase exatamente onde a aeronave estava no momento em que desapareceu. Eles sabem a localização, a elevação e a velocidade do ar - três partes de informação que podem facilmente ser usadas para estimar a localização provável dos detritos.

Lembre-se: os investigadores de segurança de ar não são pessoas estúpidas. Eles viram explosões em pleno ar antes, e eles sabem como detritos caem. Já existe um conjunto de dados substancial de explosões e acidentes de avião a partir do qual os investigadores podem fazer suposições bem informadas sobre onde os detritos devem ser encontrados. E, no entanto, mesmo armados com toda essa experiência e informação, eles permanecem totalmente confusos sobre o que aconteceu com o voo 370.

Fato nº6: Se o voo 370 foi sequestrado, não teria desaparecido do radar.

O sequestro de um avião não faz com que ele simplesmente desapareça do radar. Mesmo que os transponders estejam desativados no avião, o radar de solo ainda pode facilmente rastrear a localização da aeronave usando o chamado radar "passivo" (sistemas de radar clássicos terrestres que emitem um sinal e acompanham a sua reflexão).

Assim, a teoria de que o voo foi sequestrado não faz qualquer sentido. Quando os aviões são sequestrados, eles não desaparecem magicamente do radar.

Conclusão : O voo 370 não explodiu, mas desapareceu.

A conclusão inevitável a partir do que sabemos até agora é que o voo 370 parece ter completamente e inexplicavelmente desaparecido. É evidente que não foi sequestrado (a menos que haja um acobertamento em relação aos dados de radar), e podemos ser cada vez mais confiantes a cada hora que esta não foi uma explosão aérea (a não ser que os restos de repente apareçam e que eles de alguma forma estavam perdidos o tempo todo).

A conclusão inevitável é que o voo 370 simplesmente desapareceu de alguma maneira que nós ainda não entendemos. Isto está dando origem a todos os tipos de teorias bizarras em toda a internet, incluindo discussões sobre possíveis testes de armas militares secretas, ondulações do Triângulo das Bermudas no tecido do espaço-tempo, e até mesmo a conjectura que uma tecnologia não-terrestre (alienígena) pode ter teletransportado o avião.

Fonte: Natural News

Um comentário:

Marcus Tulio de Melo disse...

Gostei das informações, mas PORRA, blog com fundo preto e letras brancas é demais. Isso dói as vistas, fica complicado a leitura, muda esse layout.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...